O misterioso Jardim da Lua, do outro lado do Rio Yamuna!

O Jardim da Lua (Mehtab Bagh) fica no lado oposto do Rio Yamuna, ao norte do Complexo do Taj Mahal, mas poucas pessoas que visitam a cidade de Agra, na Índia, conhecem este jardim. A maioria só quer conhecer o Taj Mahal mesmo.


Apesar do Jardim da Lua, que mais  parece com um parque, não ter a beleza do jardim do Taj Mahal, ele oferece uma vista bastante interessante do magnífico monumento.



É do outro lado do Rio Yamuna que conseguimos ter uma visão única do Taj Mahal e das Jawab, que são os dois edifícios que o ladeiam, já que no Complexo isto não é possível, devido às árvores que acabam escondendo a vista de um ou de outro. Estes dois edifícios são idênticos, como se fossem um espelho um do outro, mas com o Taj Mahal ao centro.



O Jardim da Lua possui o formato quadrado, com cerca de 300m x 300m e está perfeitamente alinhado com o Taj Mahal, porém, na margem oposta do rio. Com o terreno é plano, durante as estações das chuvas, a área próxima ao rio torna-se parcialmente inundada.



O Imperador Shah Jahan, percebendo que o local oferecia uma vista perfeita do Taj Mahal, criou este jardim em 1652 e mandou construir passarelas de gesso, pavilhões, piscinas e fontes. O jardim foi projetado como parte integrante do Complexo do Taj Mahal e sua largura era idêntica a este.



Neste local, segundo alguns historiadores (outros dizem ser uma lenda), o Imperador Shah Jahan desejava construir um mausoléu em mármore preto, um gêmeo do Taj Mahal, para ser o seu próprio mausoléu, mas antes foi preso na torre do Forte de Agra por seu filho Aurangzeb. Explico isso melhor no post de 2015, link aqui.



Na parte do Jardim da Lua que fica de frente para o Taj Mahal só sobraram ruínas e a base dos alicerces do que um dia foi um esplendoroso jardim de admiração ao mausoléu. 

Já imaginou o impacto que seria um Taj Negro aqui?

Como eu já citei no primeiro post sobre o Taj Mahal, em dezembro de 2015, a tese de que realmente iria ser construído um Taj Negro foi reacendida em 1871, quando ACL Carlleyle, um arqueólogo britânico, tornou-se o primeiro pesquisador a encontrar restos estruturais no local, embora enegrecidos por musgos e líquens.

Eu me arrepio toda só de imaginar a existência destes dois Tajs

Fotos extraídas do site The Black Taj Project

Na foto podemos ver o "formigueiro" de gente que estava visitando o Taj Mahal!

Não podia falta essa clássica foto, mesmo no Jardim da Lua.


Tirando a parte das ruínas, que são conservadas do jeito que estão, o Jardim da Lua está muito bem cuidado, cheio de flores, com a grama aparada e as árvores podadas.

Esta indiana com foice e um fardo de grama na cabeça era uma das trabalhadoras do jardim.


Fiquei muito feliz em conhecer o Jardim da Lua, sua beleza e suas ruínas. Muito mais do que uma vista diferente do Taj Mahal, eu adorei pisar no local onde, supostamente, seria construído o Taj Negro.

Origem e história do Jardim da Lua, em inglês. Clique na foto para ampliar.

O valor da entrada para o Jardim da Lua custa apenas 100 rúpias e ele fica aberto á visitação diariamente, ao contrário do Taj Mahal, que fecha às sextas-feiras, dia sagrado para os muçulmanos.


O que você achou do Jardim da Lua? Já tinha ouvido falar?

Beijos,
Ana

*Para quem se interessou em aprofundar no assunto sobre o Taj Negro, existe o site The Black Taj Project (O Projeto do Taj Negro), que aprofunda o assunto. Para quem quiser ler em português, é só usar o Google Tradutor.
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

2 comentários :


Obrigada por comentar! É bom demais receber o retorno dos leitores.
Responderei o mais breve possível, então lembre-se de voltar aqui depois para ler a sua resposta.

*Você pode também marcar "Notifique-me", para ser avisado por e-mail quando o seu comentário for respondido.